domingo, março 11, 2012


FRAQUEJO

“... se fazendo de míope me classifica. Na categoria dos malucos? Na dos vagabundos?”


Prossigo,
enrolo meu cigarro,
tento
enrolar a mim
e aos meus vincos,
arrisco
quebrar certos vínculos,
deixar
alguns vícios,
fujo
dos vitrais e das vitrines
os manequins com queixos
caídos e empedrados
se queixam
e quase me perguntam:
se eu disser que não pode ser seu?


Luciano Fraga

4 comentários:

MIRZE disse...

Luciano!

Como sempre adoro teus versos.

Estamos sempre dentro de um rolo chamada VIDA. Quem não se enrola com inúmeras informações por fração de segundos?

Belo, poeta!

Beijos

Mirze

On The Rocks. disse...

Quem sabe? - rs

Buenas LF, deixei uma mensagem pra você no Facebook sobre a viagem.

Abs

Braga e Poesia disse...

o pior quando é a nós que enrolamos.
a vida é um rolo que as vezes se parecxe não com dobras antes com uma vastidão terra deserta e arida

Adriana Godoy disse...

Luciano, me confundo e me acho em seus poemas. Fraqueja? Então, estamos juntos nessa. Bonito poema. Beijo