terça-feira, maio 10, 2011

E. Hooper

ESPERANDO SOB A LUZ


A carne recobre sua frieza

e os ultrajes lhe completam,

a fachada, as curvas...

Os fatos não aparentam.

Num dia inútil de silêncio

verá o que mais lhe afeta,

viverá cada ato aos pedaços.

Afora isso,

e minhas chances

em cada por menor superado?

Aperta-me o peito,

aperta-me contra teu peito,

vem de encontro...

Minhas garrafas morrem,

vazio penso em teu sexo;

ali dediquei cada falta de nexo

em teus quadris ossudos...

Dos meus frágeis passos,

dos meus escassos compassos

reservei com dó de cretino

meus poemas descartáveis,

aqueles que só serviam pra enrolar...

Decidir então enviar-lhe sem carinho,

cada um deles,um a um,

só pra testar

se você gostava,

se você gostava menos de mim,

ou dos poemas que te mandava...


Luciano Fraga

25 comentários:

Zinaldo Velame disse...

Belo poema, Luciano, forte e ousado. Abraço!

MIRZE disse...

Luciano!

Acho que não precisava de teste. Quem não se desarma com um poema?

Beijos, poeta!

Mirze

Braga e Poesia disse...

Fraga este poema é por demais rico e em si mesmo ele carrega os outros e denuncia os poemas descartaveis, como aqueles feitos pelos poetas mortos e ainda não enterrados que desafogam sacos e amarram na verdade, o cheiro do inventado impregnando a vergonha de uma cor, já desbotada mas ainda vermelha ou quase rosa e expulsam do coração qualquer aperto além do medo e da impoetencia. Como os poetas das casas de cultura, poetas bandidos mas lado a lado com o mediocre com a morte nos valores tristes dos que apenas passam a mão no dinheiro publico, como o pt e seus poetas especialistas em fazerem sumir dinheiros em cofres alheios.
Fraga uma carta de amor onde a vida saltita do quase escuro para o quase claro..
Caro fraga o poema exala verdades gritadas em sussuros atonitos e bebados onde o que importa não é o amar mas antes de tudo a dimensão deste não amor.
A poesia desfila dores, impressões e desejos vitorias, vontades submissas e por ai vai o trem pela contra mão, mas saber ler é saber escrever e é saber berrar.Este poema caro fraga é um bomba que ao explodir deixa nu toda a canalha.

Zana Sampaio disse...

"esperar infinitamente como se disso dependesse a própria vida, é a verdadeira espera, em carne viva, acredito eu..." belo poema, bravissimo!

On The Rocks disse...

Adoro esse vazio existencial nas pinturas do Hooper.

Poema e pintura se encaixaram perfeitamente bem.

Buenas!

P.S: Faz frio aqui em Sampa; beberei um vinho para acalorar a alma e distrair o frio.

;)

Luciano Fraga disse...

Zina,suas palavras tem o peso de chumbo mas leves como nuvens, de valor! Abraço.

Luciano Fraga disse...

Mirse amiga, um poema toca na alma mais incrédula, um poema transforma. Não sei este, rs. Grande abraço.

Douglas Vieira disse...

Muito bom o poema, mestre Luciano.

Eu por outro lado não envio poemas. Talvez porque eles não existam mais.


Forte abraço!

Ana Lago disse...

Olá Luciano,

Embora as palavras precisem ser usadas de forma correta para serem bem interpretadas e eficaz.
O poder do silêncio é,talvez,muito
maior do que a força que elas possam ter.
Talvez,os poemas mandados,não dizem
tanto e muitas vezes não diz nada ou muito pouco significa.

Até mais,

Abraço,
Ana Lgo.

Adriana Godoy disse...

Querido poeta, tenho tido pouco tempo pra ler os blogs, minha mãe doente, muito trabalho, cansaço, faltade inspiração, sei lá. Mas é uma delícia entrar aqui e ler esse poema maravilhoso. Isso vale a pena. Beijo

Ana Lago disse...

Estou te aguardando,sou igual aqueles "burrus brabos"muito difícil de domar,só saio depois....vc sabe muito bem.

Um abraço cainhoso.

Luciano Fraga disse...

Querida Adriana, foi feito um comentário(excluido) agressivo, por um elemento chamado "luis mineiro", o qual desconheço, com agressões à sua pessoa, não sei se vc chegou a ler, peço-lhes desculpas ao tempo que repudio atitudes dessa natureza em qualquer blog, sobretudo contra amigos e pessoas de nossa consideração, beijo.

Luciano Fraga disse...

Ana,a genialidade musical e fenômeno nacional Luan Santana já disse numa das letras: "um toque vale mais que poesia" quer coisa maior e melhor que isso,vou dizer que?

Ana Lgo disse...

Êta...captei!

PS: é no e-mail,"amore"..entende?

Luciano Fraga disse...

Ana, ainda bem que entendeu o lado irônico da coisa... Detesto a qualidade do som e letras do Luan Santana.Abraço.

Luciano Fraga disse...

Zana,a suja carne espera, sempre espera uma nova história pra contar, tão desastrosa como a cereja num bolo... Abraço.

Luciano Fraga disse...

Buenas, deu vontade de bater uma dose de um seco,mas infelizmente não estou podendo amigo, abraço.

Luciano Fraga disse...

caro Mister, alguns se perdem mesmo...Abraço.

Luciano Fraga disse...

Braga,como diria o velho Gullar: "ah quem me dera um poema podre", para avançar contra a canalhada que insiste em nos rondar, política e socialmente ou religiosamente como um velho passado reacionário que quer "confundir-se com a eternidade", abraço.

guru martins disse...

...a medonha
constatação
da fragilidade...

abç

Adriana Godoy disse...

Não se preocupe, poeta! Ele também escreveu no meu blog! O que importa é o que escrevemos, os seus poemas, a nossa história,

Beijão.

marcio mc disse...

Bela imagem,combinando com o forte e belo poema!Parabéns.

Luciano Fraga disse...

Guru amigo, medonha mesmo, tal um cristal barato, abraço.

Luciano Fraga disse...

Adriana, infelizmente ainda tem pessoas com disponibilidade de tempo pra estas ocupações.O que importa é o que você já disse, beijo.

Luciano Fraga disse...

Márcio, feliz com seu retorno a este mundo que sempre te aguardou, você é um artista cara, então não para. Abraço.