quinta-feira, agosto 19, 2010


MEU RIO


Cheguei tão perto,
até sentir
o teu cheiro
e escolhi
o que sonhar...
Me repartir, desdobrei
e você não é mais
do que esperei;
minha amiga,
mas podemos conversar
sobre a vida
e sobre a cidade,
sem felicidade,
ser feliz cidade!
Sobre o coração
que não deve caminhar só;
na contramão
da curiosidade...
Me diga afinal,
de que serve a doçura
do meu rio
se és cardume
que nasceu na plenitude
do além mar...
No sal...
Luciano Fraga

23 comentários:

Mirze Souza disse...

Belíssimo!

"De que serve a doçura do meu rio...."

Poema maravilhoso!

Suas escolhas, são sempre belas, Luciano!

Esse rio agora está em mim!

Beijos

Mirze

Por que você faz poema? disse...

Há doces rios
mesmo em aguas caudalosas.

Luciano Fraga disse...

Mirse amiga,espero que seja de águas calmas e mansas em suas viagens, abração.

Luciano Fraga disse...

Herculano amigo,tenho vasculhado Mais uma dose... Parabéns amigo, junto com o Ediney, brilhantes. Estou arriscando um pequeno vídeo com o texto Direito Prescrito, libera aí os diereitos autorais, já , já sai.Forte abraço.

Ana disse...

Êta rio bão...
Água que alimenta e desagua sobre
o mundo...

Fui contaminada!Tem cura??(rs)

Até sempre Luciano,

abçss,


Ana Lgo.

Anita Mendes disse...

as vezes dá vontade de se atirar mesmo. de se deixar afogar pela corrente ...esperando sem muita espera o que ele tem pra oferecer mas sim seguir o caminho que os rios têm guardado sem muito questionar ...mas o que fazer quando o rio já virou mar e nossas mãos não mais conseguem segurar todos os cardumes que desejamos ?é essa a pergunta chave desse poema . uma bela analogia ,quase um curso intensivo, de como se deixar levar pela maré da vida.
ps: acho que o "curso" do teu rio me deixou um pouco perdida
kkkkkkkkkkkkkk preciso de um salva vidas , agora !kkkkkkkkkkkkkkkkk
Beijos meu caro, lu.

Adriana Godoy disse...

Luciano, estou na escola...li o poema, adorei, mais tarde comento. beijo

Luciano Fraga disse...

Ana,sempre haverá um mal para toda cura... acredito que vice versa, abraço.

Luciano Fraga disse...

Anita querida,justamente desse rio que refiro-me mesmo.Por outro lado, sinceramente também nem havia lembrado que inevitávelmente o rio corre sempre para o mar, um mar...
Se depender de mim, aguarde-me com bússola, botes e barcos, beijo.

Mai disse...

Águas que fecham ciclos que escoam em delta dos rios.
"e sobre a cidade, sem felicidade,
ser feliz cidade!" Fatal, amigo, fatal.

grande abraço

ronaldo braga disse...

fraga o rio fogo imaginario chama o acerto com nossas margens e nos remete pra o embate contra os muros erguidos em nossos corações

Douglas Vieira disse...

Como todo rio.
Assim precisamos de afluentes. Alguns no entanto, desembocam num mar desconhecido.

Forte abraço, Mestre.

Zana Sampaio disse...

gosto tanto de passar por aqui... nutre meus desejos tão fracos e cansados! belo poema

PS: uma pena o desencontro em Cruz... combinaremos um próximo...

Luciano Fraga disse...

Mai,águas que lavam as lágrimas mais malvadas,também movem os moinhos, abraço.

Luciano Fraga disse...

Braga amigo, enquanto alguns preferem ficar apenas no meio do rio, em cima dos muros, sem definição...Abraço.

PS. li texto do email, será publicado.

Luciano Fraga disse...

Caro Mister,são os rios de aflições e dos obscurecimentos que desembocam em grotões do sub consciente, abraço.

Luciano Fraga disse...

Zana,sua presença é honra pra mim,fico lisonjeado. Esperei, mas os desencontros são normais nessa vida, na próxima deixarei para vocês o roteiro,ou até posso mandar por email, abraço.

Mirze Souza disse...

Luciano, meu grande amigo!

Intenso como sempre, mas de uma beleza ímpar!

Do outro lado do escuro, mesmo com a fé de mil templos, há pelo menos a intenção de um raio de luz.

Quanto ao prisioneiro, que bela imagem, e triste.

Beijos

Mirze

Anônimo disse...

Outros rios
sem o ser saber
seguem o único sentido
e suas águas ainda
apesar do contrá[rio]
são o fundamento da vida

Luciano Fraga disse...

Mirse amiga, mesmo no mais intenso e profundo da escuridão haverá um sinal, ou mesmo uma sombra que nos apontará a saída, sempre...Grande abraço.

Luciano Fraga disse...

Caroa migo Anônimo, certamente muitos rios nos percorrem, indiferentes à nós, alheios à nossa vontade, abraço.

guru martins disse...

...fé
é a nossa maneira
de darmos nossa forcinha
ao destino...

aquele abraço

Wilson Torres Nanini disse...

Luciano,

sua potente poesia expressionista nos impele a nossos rumos, provoca outros poemas. E esse alheiamento com que as palavras crescem suputa todos os possíveis silêncios.

Abraços!