sábado, julho 18, 2009

4 ESTUDOS PARA UM PERVERSO DEVANEIO

PERVERSO DEVANEIO-2009-accrílico s/telas 30x30cm-Nelson magalhães Filho



MIGALHAS QUE ESMAGO

“se eu fosse piedoso, meu sexo seria dócil e só se ergueria aos sábados à noite...”

R. Piva


Quando o desejo

acena,

temo escapar

do que sou,

esvair-se de mim...

E é isto que demarca

territórios.

Recubro de calma

o tédio

pela vida perdida

e a alma recobre-se

de eterno

com as mentiras

que serviram de prótese

para suprimir o halo

deixado pela morte

do que era...


Luciano Fraga

27 comentários:

Nanda Assis disse...

nossa!!! uau,
bom sabado por sinal.

bjosss...

Devir disse...

Nem mortos nem feridos
mais experientes, levando
voce pinta de branco

os cabelos e sua loja
de bricolagens e afins
de sentimentos currais!

Não corri nem currei flor
alguma sequer se atirou não
é possível não existir ainda

sem baixo golpe baixo por trás
rasteiras zerar tudo ficar assim
morto vivo vivo morto ser não ser?

Mirse disse...

Forte, denso, humano e belo!

Parabéns, Luciano!

Beijos

Mirse

Ana disse...

Luciano,infelizmente,aprendemos a focar nossa atenção no amanhã,na fantasia do que poderá ser ou,pior ainda,do que poderia ser,mas não foi...E então,a vida termina se resumindo numa dança entre o sonho,esperança e o arrependimento.Sem mente,sem pensamentos nos arrastando para o ontem ou para o amanhã, nem para qualquer outra noção de TEMPO... Lindo poema LUCIANO,nada de migalhas. Abraços, Ana Lago. obs:me add.

Adriana Godoy disse...

"Recubro de calma

o tédio

pela vida perdida"

Luciano, a imagem e o poema formam uma estranha simbiose. Um poema denso que realmente esmigalha os sentidos. Mais um, poeta, que nos alcança a alma. belíssimo. Beijo.

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

"Quando o desejo

acena,

temo escapar

do que sou,

esvair-se de mim...

E é isto que demarca

territórios."

Quando se escreve com a alma, saem palavras que demarcam nosso ser.

Adorei!

Lindo domingo!

Rebeca

-

BAR DO BARDO disse...

Olá, Luciano Fraga.

Diria eu: no talo!!!

Muito bom.

Anita Mendes disse...

"Quando o desejo
acena,
temo escapar
do que sou,
esvair-se de mim...
E é isto que demarca
territórios."

lu,
creio que esse medo do desejo,o que acena as nossas vontades, marcam territórios como forma de defesa :a constante praticidade de estar do lado do se pode controlar.
covardes? nunca.o que nos deprime é essa habilidade de conter o futuro.

muito ,muito bom isso aqui.
beijos enormes pra ti.
Anita.

Anita Mendes disse...

*do que se pode controlar

Zinaldo Velame disse...

Mais um grande poema! Com o violão em punho saiu algumas notas, vou ficar em cima até conseguir algo de mesma qualidade. Abraço!

Marcia Barbieri disse...

"e a alma recobre-se

de eterno

com as mentiras

que serviram de prótese

para suprimir o halo"

o que comentar de alguém que já diz tudo???

beijos ternos

Tarcísio Buenas. disse...

e que devaneio!

buenas.

anjobaldio disse...

Buenas, esmigalhamos devaneios na esperança secreta da perversidade. Grande abraço.

Luciano Fraga disse...

Aos amigos, estou com problemas na net, volto logo, obrigado, abraço.

tania não desista disse...

oi,luciano!um poema de confissões:
carnais ,emotivas ,humanas.
uma descoberta sábia...as mentiras,
como próteses do imaginário...
muito bom!
abrços
taniamariza

Herculano Neto disse...

As mentiras são realmente próteses, muletas em que os medíocres se apoiam. Saudações.

Braga e Poesia disse...

a mentira é sempre uma protese, fraga, o tedio ém sempre calmo e é de uma calma aterrorizante.
um poema que busca nos erros o acerto. viver é isso é chutar para longe a gravidade da dor.

Luciano Fraga disse...

Aos Amigos de Blogs e outros que sempre nos visitam, peço desculpas por não corresponder aos comentários tão importantes e balizadores para continuidade de nossas publicações, tive problemas com a net,estou optando por atualizar minhas visitas nos respectivos blogs, desde já agradeço cada comentário, abraço a todos.

guru martins disse...

...bem aventu(i)rados
desejo e desejosos...
Tamos juntos
e misturados, cumpadi!!

aquele abraço

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Luciano,

Acabamos de linkar o seu blog. Será um prazer compartilhar emoções com alguém que entende tão bem delas.

Tarde de luz!

Rebeca

-

pianistaboxeador21 disse...

Belíssimo poema. Belíssima ilustração do Nelson, tenho pensado em pintar umas coisas tb, mas acho q vou dar mais um tempo. E a ´pígrafe é magnífica. continua "Se eu fosse piedoso meus amigos me chamariam de cu de ferro e eu saberia porque navio bóia e porque prego afunda. Conheci o Piva, fiz uma entrevista com ele pra faculdade uma vez. Foi em 200o e ele já tava bem velhinho, mas podemos dizer que era mesmo um velhinho muito doido.
Abraço e estou sempre de olho, velho, apesar de me parecer que o azar tem me rondado muito nos ultimos tempos. Até de moto caí, mas nada de grava.
Abrraço frrrancês

Zana Sampaio disse...

"Quando o desejo acena...eu temo", eu caiu dentro do buraco escuro do querer!
fantástico fantástico!!!
Gostei muito!

Luciano Fraga disse...

Guru,bem aventurados os que gozam juntos em seus desejos, estamos juntos mesmo, abração.

Luciano Fraga disse...

Rebeca e Jotacê, agradeço a atenção de vocês, será muito bom mesmo, abraço.Muita paz.

Luciano Fraga disse...

Daniel, que privilégio conhecer, entrevistar o Piva, deve ter sido um momento muito especial.Gostaria de pintar também mas minhas tendêcias para figuras e desenhos são péssimas, nem tento."Fé na vida, fé no que virá" e nada de azar amigo, são acasos, grande abraço.

Luciano Fraga disse...

Zana,"nesse buraco escuro do querer", há inúmeras chegadas e partidas perigosas, abraço.

Luciano Fraga disse...

Zina, confio plenamente em seu "taco", só cai bola sete, abraço.