terça-feira, setembro 27, 2011

George Grosz

CRIVOS

E agora,

que demos um passo,

um grau?

E agora,

precário, acalmo

a balbúrdia

dos meus versos

contidos em estojos.

E agora,

fonte de encostos,

jardins de ferraduras

e agora?

E agora,

algures, alhures,

o que faço

com este amor

com cheiro de fruta

fresca

onde a mosca do sono

pousou enviesada

sobre compoteiras

e deformações...


Luciano Fraga

6 comentários:

Ana Lago disse...

Olá Luciano,

Será que o "eu poetico" se sente perdido?
Escute a "voz" no seu interior,ele
dará o direção mais segura,portanto...SIGA EM FRENTE.

Sempre,


Ana

MIRZE disse...

Luciano, amigo querido!

Ame muito. Com ou sem frutas. A coisa mais linda e importante que levamos é o AMOR!

E você merece!

Beijos

Mirze

Braga e Poesia disse...

e agora o que sobra é lavar e comer a fruta com gosto de amor.

Anônimo disse...

Aê cara!! come,come..verde,madura e...podre,haja p...kk!cuidado com o p...essa idade se dar muito mal,um dia desce que no sobe mais...kkkkk
e aê cara? como fica?
Um conselho de amigo: fica como òcê tá cara,no vá com muita fome de fruta nova que vc se estrepa,essas qual quer uma aê..que nois topa nas esquina..aí vem a complicação..é melhor deixar por lá mesmo..kkk
Se conforme no que vc já tem.
Se liga cara. Tem gente de "olho em te."

Adriana Godoy disse...

Luciano, queridíssimo!

Se não for o eu lírico, um novo amor no horizonte? Isso é muito bom...se tem cheiro de fruta fresca, hum...deve ser saboroso!

Bonito poema, com gosato de "fruta caída no pé".

Beijo

Luciano Fraga disse...

Caros amigos, desculpem-me todos não poder correspondê-los em tempo, a correria e mil problemas me impediram,obrigado, abraço para todos.