domingo, junho 19, 2011

Noturno em preto e branco e dourado: fogos de artifício-James Mcneill-1834-1903

FORÇA BRUTA


O que sobrou senão

o leite derramado,

as cinzas da sedimentação?

O que sobrou senão

o que provoca riso

nas feições inanimadas,

tão somente desaceleradas

em marchas de gladiador...

O que sobrou senão

os senões e as luas

a minguar...

É fácil querer,

saber,

fazer

até o trivial

Bê a BÁ,

por outras bocas

soletrar.

Suspire e não fujas,

uma floresta ruge

com orgulho do vento

que é seu alimento e guia,

quem lhe conduz por dentro

da dor

e lhes arranca

os pedaços em flor...

Nem sempre os bons escapam

e por pior que seja a tempestade

tudo desencadeia

por uma minúscula gota d’água,

isso não convence aos brutos,

mas é a gota d’água

e passará...


Luciano Fraga

17 comentários:

Braga e Poesia disse...

o que nos acalenta é que tudo passará:
bandidos do pt- passará;
o proprio pt e toda a sua corja-passará;
fraga este poema tem, uma estrututa, uma dinamica bem arrumada. muito bom.

Luciano Fraga disse...

Braga, isso mesmo, tudo passará, apesar do brutos, apesar dos pesares, apesar dos partidos e de todos os seus corruptos, apesar de tudo, ainda falta ao povo a gota d'água... forte abraço.

Adriana Godoy disse...

Pois é, querido poeta, como já escreveu o Chico "

"deixe em paz meu coração
ele é um pote até aqui de mágoa
e qualquer desatenção
faça não
pode ser a gota d'água"

Bonito e forte seu poema.
Beijo

MIRZE disse...

Luciano!

Lindo e forte poema! Daqueles que eu gosto.

A floresta ruge sim, e não há clareiras que a emudeça.


Beijo, poeta!

Mirze

Douglas Vieira disse...

Agora pego - me a questionar!

E o que fazer com minha "bruteza" quase meridional?

Belo poema mestre. Como de costume.

Luciano Fraga disse...

Adriana, gostei da lembrança, mas Chico é Chico não é amiga? rs.A bendita gota d' água... Beijo.

Luciano Fraga disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luciano Fraga disse...

Mirse,a floresta ruge, como muitas coisas em nós.Forte abraço.

Luciano Fraga disse...

Caro Mister, uma aparente "bruteza", mas por dentro reside uma persona sensível, justa e mansa:o poeta. Abraço.

anjobaldio disse...

Muito massa, buenas!

Zinaldo Velame disse...

Muito bom este poema, Luciano! Ácido que corrói. Abraço, parceiro!

Ana Lago disse...

oLÁ lUCIANO,
Tudo haver esse poema,estar bem claro,espero que realmente passe,na verdade tudo é passagero,tudo tem sua "fase".

PS/;vou continuar esperando,adoro esperar.

Abraço carinhoso,

Ana,

Ana Lago disse...

Não é por acaso que momento atual se chama "PRESENTE"...para que nós o desfrutemos e nos envolvemos a fundo
com nossas verddades e percalços,e só assim alcançaremos "luz".
Muitos livros fucionam como "lanternas"...más desta forma nos esquecemos de que a luz é "interior".

Sei que nos veremos,diferente em verdade.

Beijo na alma.

Luciano Fraga disse...

Buenas, isso é muito pra mim, você sabe, abraço.

Luciano Fraga disse...

Zina, corrói sem provocar dor, grande abraço.

Luciano Fraga disse...

Ana, a luz sempre existirá, bem como os rumos que se deixam escapar, é isso.

guru martins disse...

...é o dilema
meu irmão...

aql abç