domingo, abril 10, 2011

Mata Burro- Fotografia-Luciano Fraga-201

Este poema poderá ser lido por uma outra perspectiva; moralista, talvez... Sem as pessoas, sem a merda. Ou mesmo sem a merda das pessoas... diria, certas pessoas...


NOS DIAS PARADOS DE CARNAVAL


Eu não sou um brincalhão,

queria que minha alma

sorrisse à toa em fantasia...

Minha infinitude é uma gota.

Não sou assim tão asco,

nem tenho munições de sobra,

embora minha soberba

derrame crepúsculos

em minhas sombras...

Quando o mar se encarrega

do inferno dos crustáceos,

vestígios terrestres

(pessoas mesmo);

cumprem sua cumplicidade

despejando aos meus pés

uma montanha de pó

(merda mesmo);

onde agoniza minha Babel...


Luciano Fraga





21 comentários:

Braga e Poesia disse...

certas pessoas amam o superficial, a mentira. certas pessoas não aceitam a vida e precisam de elogios, de disfarces. fraga a vida necessita de escolhas e é vc ou certas pessoas.

Luciano Fraga disse...

Braga, você bateu o martelo, o sistema adora, cria, alimenta os dissimulados aqueles recheados com técnicas do disfarce..."A lei do poder: para que a realidade não seja irreal, dizem os que mandam, a moral deve ser imoral" Assim seguirei comigo e uns poucos!Grande abraço Braga.

Ana Lago disse...

(merda e merda)são pessoas egoísta,
só pessam em si,no bem,ou seja oque for...e a qual quer momento deixarão de existir.E não vai levar MERDA nenhuma,é uma merda mesmo.

PS: tem pessoas que nem deixa o verme desfrutar a própria carne...preferem se desmanchar em Pó.

Luciano Fraga disse...

Ana,obrigado! E assim a poesia vai cumprindo o seu papel: instigar, abrir os olhos...Fazer acordar aqueles que adotam a postura de sugadores e caminham em direção ao "desviver".

Douglas Vieira disse...

Mas são pessoas, mestre. Pessoas são surpresas, são inchaço ou cobertor. Cargas ou amparo.
É assim que a humanidade se suporta rio abaixo.

--
Adendo: Perdoe o sumiço, tentaram roubar meu blog, não tava conseguindo acessar ou postar comentários.

Forte abraço.

Luciano Fraga disse...

Mister, sábias palavras, não foi à toa que fugimos pelo mata-burro afora numa noite aberrante... Abraço.
Eu também tenho falhado com amigos, são muitos problemas pessoais.

Raíz disse...

Luciano, amigo poeta!

Tem pessoas que seriam melhor silenciar, mas só para aparecer, destratam e fazem essa "terra" em nossos pés.

Só preciso saber o que significa "Mata Burro". Volto depois.

Beijos, poeta!

Mirze

Adriana Godoy disse...

Luciano, no intervalo entre uma aula e outra pude apreciar seu poema...que cacetada! no bom sentido! cada vez mais, cada vez mais...beijo

Anônimo disse...

Raiz,
''Mata burro"..´´e uma passagem de animais de 4 pernas, na verdade "SÃO BURROS" conhece? existe em Fazendas.

anjobaldio disse...

Lembra do mata-burro do Campo Limpo?
Grande abraço.

Luciano Fraga disse...

Adriana, pura felicidade por este intervalo dedicado! Da mais pura delicadeza, Abraço forte.

Luciano Fraga disse...

Mirse amiga, sempre existirão. O amigo esclareceu sobre o "mata burros", abração.

Luciano Fraga disse...

Buenas, poético, mata-burro do campo limpo... lembro sim, além dos ventos que lá sopravam, mas você viveu muito, muito mais que eu... Abraço.

Zana Sampaio disse...

precisamos de uma devassa, poeta... um rastreamento das partículas desse existir que se perde... de cada unidade de si e dos outros... Muito boa, sua setença escrita. Abraço

guru martins disse...

...uma
pintura
gestual...

aquele abraço

Curiosa disse...

gostei muito de teus escritos, Luciano ...
fiquei refletindo que TODOS nós perseguimos sombras, como vc disse ... muito legal ...
beijo pra vc ..

O que Cintila em Mim disse...

Uma sombra passou e quis ficar...

Luciano Fraga disse...

Zana, uma devastação interior, sim...Abração.

Luciano Fraga disse...

Guru amigo, mas eu nem sei pegar num pincel meu irmão,rs. grandioso abraço.

Luciano Fraga disse...

Curiosa,nunca nos abandonam nem no mais "escuro do(s) cinema(s)...Abraço, obrigado pela visita.

Luciano Fraga disse...

O que Cintila em Mim, ainda assim a sombra cintila, impossível seguirmos sem ela, abraço, grato pela visita.