terça-feira, outubro 26, 2010


COMPARTILHAR COM MEU AVESSO



Sob o rescaldo do mesmo sol
percebi que meu coração
não é mais uma rocha,
nem tem o mesmo gás.
Assim Baby,
acho que preciso tomar um café
para reacender os sentidos.
Melhor revivermos tudo agora,
sem contornos,
sem táticas medievais,
sem pagar o preço
dos olhos da cara.
Há coisas que o tempo
não faz pó...
Não faço canções
para a mãe dos arrependimentos,
a poesia já não vive em gavetas
e o que seria um absurdo?
Flores com fome de jardins?
Minha vida segue
na beira de um barranco
e da margem da estrada
meu desespero é iônico...
Assim não considere um absurdo

quando me encontrar
estendendo o couro
da minha alma num varal
nos fundos de um quintal
de frigorífico...



Luciano Fraga

16 comentários:

Mirze Souza disse...

Luciano!

Como amo tua poesia forte e lacônica!
Sentir e pautar um desespero iônico, é demais!

Só você, poeta!

Beijos

Mirze

Ana disse...

Olá Luciano,
Nós não somos autoridade em amor,
mais somos fihos(as)"dele".
Como diz.. há coisas que o tempo não faz pó...
Sua mente e seu coração está aberto
ao fluxo da vida em todas as dimensões e sabe que o todo está em
tudo.
" O amor supera até a medicina,faz
milagres,quanto mais nós lutamos
contra esse amor,ele fica mais..
FORTE".

Um abraço carinhoso.

Ana Lgo.

tania não desista disse...

luciano,saudades!..o tempo pode ser implacável,pois se veste de tantas pessoas,tantos personagens!..crescemos com castelos,esquecemos muitas vezes,quem irá morar neles.um dia olhamos nosso avêsso e não combina com outros...pode não ser na medida!...e o varal ,lá está!...secamos nossas vestes e devemos seguir ...nos inventar...é possível ...é provável o recomeço.
ah,que linda poesia!
abraço forte,luciano

Devir antes dos nomes disse...

Gostei muito da foto, torna o espelho menos embassado pelas artemanias&artimanhãs.
Voto secreto: nem vou perguntar então em quem votou, estou chafurdado na minha ferida crõnica desde a eleição Lula versus perversus O Bonitão, para que não reanimemos in'diferenças absurdas.
Continuo com saudade, e é muito bom, tenho quedas amorosas por drogas dita duras e imbatíveis pela razão.
Ah, por precaução com a platéia dada a gentilezas, explico: Droga: substância natural ou artificial que desafia nossa razão. Lícitas ou ilícitas são definitivamente excluídas de qualquer contexto Dita racional.
Grande Zé Ramalho: "não vou me sujar, fumando apenas um cigarro".

Grande também Raul Seixas, mais vivo que o Zé "nem vem, meu corpo não vai por aí sem a minha cabeça, porque minha cabeça não vai ficar em canto nenhum sem ser-estar pensando".

O outro não é o inferno
é complexo
até explicar... antes disso
se outro outro vier me dizer
algo que não sei (não sabia!)
sobre o outro então já considerado:
encho de porradas
pronto, e a princípio.

ronaldo braga disse...

um amor cantado em letras do ievitavel, um amor desterrado pelo simples sol, que apaRENTEmente clarifica o obscuro.
fraga a poesia é linguagem refinada de um animal que busca fugir do simplorio, ser poeta é falar o que nenhum outro quer ouvir e vc vem com sua poesia e cria um atmosfera de interação e inteligencia e nesse cenario, o dificil de ser ouvido vem sendo cada vez mais ouvido. é a poesia sem apelos que vai crescendo e afirmando o complexo sistema poetico.

Ana disse...

Caro amigo,amado,amante,e sobre tudo..."poeta".

"O rugido das "feras",apenas mantem
a floresta em sobressalto e desa-
ssossego.
Quem acorda sempre para um novo
dia é o cantar dos pássaros,por-
tanto,façamos+++VERSOS++VERSOS+==
PERVERSOS.
"Que as rapousas e as uvas o assistam,ou emboram..sofram."
Agora,só tem um jeito...
Queima o sujeito..(rs.

+ um abraço,

PS:lamento pelo que mandei em seu
e-mail.
queria devolução..se possivel.
Te aguardo ansiosa.Naõ me deixe
assim.

Até sempre,

Ana Lgo.

Luciano Fraga disse...

Caro amigo Devir, como disse, há coisas que o tempo não faz pó: os amigos... o respeito ao tempo deles e para cada um.Respeitei com paciência e compreensão o dito e o inaudito, criado por mim que sou um sujeito maldito, forte abraço de saudades meu cara.
PS. Zé é foda e faz com que borboletas girem em nossas cabeças e nós só queremos girar, girar...

Luciano Fraga disse...

Mirse amiga, uma honra pra mim, de fato. Tenho gostado demais do livro e de todas vocês com seus estilos diversos,grandioso universo, abraço.

Luciano Fraga disse...

Ana, o amor é insuperável, na condição que imagino...Abraço.

Adriana Godoy disse...

Luciano, sua poesia está cada vez melhor, mais forte, mais visceral...este poema certamente vai ficar na lista dos meus preferidos. Me tocou de uma forma tão especial, sei lá. Só sei que gostei demais! beijo

Luciano Fraga disse...

Tania amiga, grande prazer,saudades mesmo.Seguimos trocando de pele entre carícias e experiências, estendendo nossas almas como lençóis, abraço.

Luciano Fraga disse...

Braga, uma qualidade em extinção:ouvir,consequentemente ser ouvido ainda se tratando de poesia, quase pregamos para o deserto, abraço.

Luciano Fraga disse...

Adriana amiga,suas palavras, suas opiniões são fundamentais pra mim e sigo assim devorando-as com toda atenção, beijo.

guru martins disse...

...desilusão...

abraço

devir antes dos nomes disse...

Adoro apocalipses agora, onde apenas um, atravessa todos os perigos, maravilhosos e horríveis, para fazer a coisa certa, mesmo que seja totalmente contra a coisa; a coisa que sempre vai carecer aos humanos.

Beije-me, depois de matar-me, para que possa, em vida, esquecer-me, Ana.

Luciano, perdoe-me o melhor do conceito da poesia, forte abraço, caro amigo.

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

"Preservo em minha memória ainda desejos de encontros"
isso é uma possíbilidade de não morte, sempre desejar