sábado, abril 03, 2010




PAPOULAS
“não leve flores para a cova do inimigo...”


Jamais aceite flores
nos primeiros erros...
Melhor deixar
que os acertos
naturalmente aflorem,
talvez o inverno
decida,
se é dor,
ou margarida,
se geleira
ou lágrima puída
ou que alguém lhe implore...
Para desobscurecer
esta lesão
de eclipse lunar,
um tempo de hibernação
mostra-se melhor cirurgião
que um pedaçinho de primavera
pra confortar...

Luciano Fraga

38 comentários:

Mai disse...

Ciclos de morrer e renascer.É como sair de cena e de seguida renascer em novo ato.
No prelúdio do inverno, o outono desfolha os galhos mas o colorido das flores apenas hibernam em silêncio.

bjos

Anônimo disse...

"Para desobscurecer esta lesão de eclipse lunar...". Um trecho para reflexão.Talvez "..um tempo de hibernação.." ajude a entender.
O plano de fundo do blog está ótimo.Lembra as figuras do Guernica, de Picasso.

Grande abraço
Heraldo Fraga.

guru martins disse...

...mandou
super bem
poeta!!!

aquele abraço

Devir disse...

Tão certo quanto o que vai atrás na sombra, contra qualquer aventura supersticiosa que imagina toda sorte de azar ou poesia.
O Heraldo Fraga está mais certo ainda, refletir sobre um fenômeno natural, hibernando, em solitude, é uma ótima atitude.

Forte abraço, apesar da resposta automática capciosamente encobrindo
o desespero mais saudável.

Ana disse...

Olá Luciano,

Assim como uma pequena planta deve
enfrentar muitos obstáculos antes de se trasformar numa árvore,nós precisamos experimentar muitas dificuldades no caminho da felicidade absoluta.
A vida é mesmo incrível não é?

Adorei a flôr,"linda".

Abçs

Ana Lag

Anita Mendes disse...

estou de perfeito acordo contigo! as pessoas usam a beleza das flores para ocultar as falhas e continuarem a repeti-las...as desculpas brotam e novamente morrem como flores: cultivamos esse vicio.
Beijos belo, belo, belo!
Anita.

[ rod ] ® disse...

Os erros que ensinam são cúmplices da boa vontade... do querer maduro célebre de bons frutos! abs meu caro.

Adriana Godoy disse...

Luciano, uma filosofia e tanto. Belo e profundo poema, como gosto de ler seus textos. Beijo e uma flor pra você, sem erro.

Ana disse...

Gostei da sua foto do blog,meio esquecido,imaginando algo.
"É COISA DE LUCIANO,VC É O PRÓPRIO SOL".

Abç,

ANA LAGO.

Mirse Maria disse...

Luciano!

Belíssimo poema!


Deixarei que o inverno decida a flor da minha dor.

Parabéns, POETA!

Beijos

Mirse

Luciano Fraga disse...

Mai amiga, recolher-se é uma arte, aguardar em silêncio a passagem da tempestade sem rancor, eis...Abraço.

Luciano Fraga disse...

Amigo Heraldo,esperar um tempo, adiar propositalmente, olhar de fora,decidir com consciência.Tentei melhorar um pouco o visual do blog, são alguns anos com o mesmo fundo, abraço.

Luciano Fraga disse...

Guru amigo, mandei, espero que tenha chegado por aí irmão, abraço.

Luciano Fraga disse...

Caro amigo Devir, rimou, atitude com solitude, como diria Osho,sozinho e bem consigo, abraço.

Luciano Fraga disse...

Ana, a flôr é papoula "da terra do fogo, sanguessuga sedenta de calor..." E de dor em dor a boiada enche o saco, abraço.

Luciano Fraga disse...

Anita querida, consertam com flôres e ferem com espinhos e vice versa e assim tentam enganar ou pensam que...As flôres murcham, exceto "as de plástico", beijo terno.

tania não desista disse...

tranquilo poema luciano!
erros e acertos estão bem próximos na caminhada. buscar o momento e o tempo certo da quietude...hibernação...
"voltar-se para o interior".
depois ...quem sabe...as flores e até aquelas...com espinhos defensores
...serão bem vindas!

um belo poema!
abr
taniamariza

Ruela disse...

Belo post!
Abraço Luciano.

Luciano Fraga disse...

Rod, os erros, sempre ensinam com seus estragos, abraço amigo.

Luciano Fraga disse...

Adriana, minha querida poeta , sempre antenadissíma,sou teu fã, obrigado pela flor, beijo.

Luciano Fraga disse...

ana, o sol é muito pra mim, tento ser uma fagulhazinha, abraço.

Luciano Fraga disse...

Mirse amiga, o inverno com suas águas é sábio e lhe deixará um digno presente, abraço.

Braga e Poesia disse...

fraga, este poema é um conselho bastante nobre

Marcia Barbieri disse...

ando sem tempo, mas vi que seu blog está mais lindo que nunca e adoro a imagem das papoulas...

beijos sempre ternos

Devir disse...

Então, recebi A voz da pedra
nenhuma surpresa!

Gostei da ilustrações do Anjo
tá no caminho da imortalidade
dos nomes
se este ainda existir

Seu livro, aguarda o sol...
Poesia não se lê na chuva
nem no escuro

Luciano Fraga disse...

Caro amigo Devir,ainda bem que chegou, tenho tido problemas com envio de correspondencias, no mais, na realidade "nada de novo sob o sol" talvez as rodas estejam fora dos trilhos e sol...Forte abraço.

Luciano Fraga disse...

Ruela, obrigado amigo, forte abraço.

Luciano Fraga disse...

Tania amiga, tudo serve com alicerce para nossas caminhadas, os espinhos, nossos anti corpos ficam encarregados da tarefa, abraço.

Zana Sampaio disse...

boa dica: hiernar ao invés de florear os nossos invernos.
Gostei, viu?

Devir disse...

Ae, não sei mentir, teve duas supresas na correspondência material, a sua falta pessoal e a narrativa da vida da AGod.
Sim, vou escrever a ela as sensações desta surpresa tão agradável. Está no forno e, confesso, desejo muito um vinho, muito sol e boas gargalhadas.
Então, meu caro amigo, não preciso de chances, eu as crio, só não assimilo bem o lance de tirar-me delas.
São tantas confusões, tantas substâncias no passado para, se pudermos, contar aos netos e companheiros sobreviventes.
São tantas formas de amar, que qualquer pessoa, bem doutrinada por experiências audio visuais, fica até com 2 pés atras; sem
falar das experiências subliminares das igrejas em geral.
Não quereria recuperar o impossível, o passado principalmente, mas tem algo de bom em 'o sol nascer todos os dias' e em não sermos tão fortes quanto os ursos, por exemplos dentre milhares.
Divagar é preciso, e viver assim que podemos.

Forte abraço.

Luciano Fraga disse...

Braga,dizem que conselhos...Mas se quiser segui-los,abraço amigo.

Luciano Fraga disse...

Márcia, sua presença sempre vale muito pra mim, entendo, abraço.

Luciano Fraga disse...

Zana, inverno, tempo de escutar o choro das águas e o fio lamurioso das lágrimas, abraço.

Luciano Fraga disse...

Caro amigo Devir, fiquei curioso com o coment sob nossa querida poeta Godoy "GInsberg", aguuardo.Quanto à falta, tenho plena convicção que não cabe nem ao menos cartão amarelo(rs), embora tenha sido proposital(rs),mas no exato instante pensei aquilo que acho e a palavra chave,escrita com emoção incalculavel, não retiro-FODA...Achei que não deveria florear e preferir deixar tudo a cargo dos meus pobres Vaga Lumes, forte abraço.

Luciano Fraga disse...

Caro amigo Devir, fiquei curioso com o coment sob nossa querida poeta Godoy "GInsberg", aguuardo.Quanto à falta, tenho plena convicção que não cabe nem ao menos cartão amarelo(rs), embora tenha sido proposital(rs),mas no exato instante pensei aquilo que acho e a palavra chave,escrita com emoção incalculavel, não retiro-FODA...Achei que não deveria florear e preferir deixar tudo a cargo dos meus pobres Vaga Lumes, forte abraço.

Zinaldo Velame disse...

Luciano, tudo bem? Coloquei notas musicais nesse belo poema, a parceria está aumentando, vou gravá-la e em seguida te mostrarei. Abraço, poeta!

Luciano Fraga disse...

Zina, valeu, vou escutar e vamos consolidando aciam de tudo nossa amizade, forte abraço.

Vieira Calado disse...

Minha 1º visita.

Achei o blog interessante e variado.

Um abraço daqui