segunda-feira, maio 04, 2009

Ruela 2008-Síndromes, extraido do livro Vaga lumes.

SÍNDROMES

Volta,

sem almejar

a sesta habitual,

o sortido, o vivido,

a higiene

do agente causal...

Volta,

ardente e incapaz

de auferir os lucros alheios

diante do catafalco

do meu corpo fechado...

Volta,

pois falta-lhes harmonia

quando engatas a oitava

sinfonia

com uma rima agônica e vã.

Volta,

para curar a torpeza

em inatingíveis estrelas

mortas no meu céu

de incertezas...


Luciano Fraga

27 comentários:

ronaldo braga disse...

diante do catafalco

do meu corpo fechado...

Volta,

pois falta-lhes harmonia

quando engatas a oitava

sinfonia

com uma rima agônica e vã.


fraga um recado aos reconditos do humano e quem será a peste que merece este recado que não nós mesmos, muitos buscam acusar e injuriar e seus poemas acusam e injuriam tudo aquilo que deve ser injuriado no humano e não em um especifico homem ou uma dada mulher, somos nós como um todo que devemos lutar contra aspectos que nos faz ser o mais perfeito dos canalhas.
abraços e espero o segundo livro sabendo do aprendizado estetico e do prazer da leitura.

On The Rocks disse...

d. luchiano,

que dia heinh!?

sábado fatal.

foi do caralho.

buenas!

Ruela disse...

Valeu Luciano...ando atarefado mas não me esqueço de passar por aqui assim que posso.

Grande Abraço.

marcio mc disse...

Bela ilustração,mais belo ainda o poema...

biazinha disse...

Puro impacto...um soco no estômago!

Beijos grande.

PS: Não há nada novo em meu blog, só no coletivo.

Cafundó disse...

Esse "céu de incerteza" me parece ser o único solo firme que um poeta tem a seus pés.
Lindo, Lú!

Cosmunicando disse...

um apelo irrecusável, belo poema!
abraço

Luciano Fraga disse...

Braga, enquanto não concretizarmos nossas próprias mudanças,continuaremos sendo os mesmos canalhas ambulantes de sempre e sempre.Por enquanto vamos trabalhando, abraço.

Luciano Fraga disse...

Buenas,foi mesmo, abraço.

Luciano Fraga disse...

Ruela, desejo-lhes bons frutos, abraço.

Luciano Fraga disse...

Márcio,ilustração do mestre Ruela, obrigado, abraço.

Luciano Fraga disse...

Biazinha, um soco que não tem intenção de deixá-la sem fala.Espero coisa nova em seu blog.Beijo.

Luciano Fraga disse...

Cafundó,tenha certeza disso, não precisamos de terra firme, beijo.

Luciano Fraga disse...

Cosmunicando,muitas coisas chegamos até a sonhar com elas retornando, outras sabemos impossíveis, apenas em sonhos mesmo, abraço.

Adriana Godoy disse...

Luciano, que síndromes, que poema, que quadro. Beijos.

"Volta,

para curar a torpeza

em inatingíveis estrelas

mortas no meu céu

de incertezas..." Duca!!!!

Denise disse...

Luciano,

Que lindo essse seu poema! Ah! e esses céus tecidos de incertezas!

Abraço,

Denise

pianistaboxeador21 disse...

A palavra Volta repetida no início de cada estrofe tem o som de uma marreta caída ao chão. Pá.... Pá... Pá... Um pedido e uma dor: Volta, porra. Um homem pra pedir uma coisa dessas está despido de todo o seu orgulho, não é fácil. Nós como é difícil para um homem render-se assim, nénão?
Ritmo maravilhoso do poema e metáforas lancinantes.

Versos e perversos. Sempre fonte de inspiração, Luciano.

Abraço

Marcia Barbieri disse...

"Volta,

para curar a torpeza

em inatingíveis estrelas

mortas no meu céu

de incertezas..."
estou com seu livro ao lado do computador,pois é sempre inspirador lê-lo.

beijos de carinho e amizade

Luciano Fraga disse...

Adriana, obrigado amiga,volta! Boa recuperação, abraço.

Luciano Fraga disse...

Denise, os céus de incertezas são os verdadeiros, obrigado, abraço.

Luciano Fraga disse...

Daniel,somos no fundo movidos por orgulho,básicamente por isso, não cedemos, criamos barreiras, assim todos perdem.Gostaria de ter de volta muitas situações e experiências, sei impossíveis, obrigado, grande abraço.

Luciano Fraga disse...

Márcia, muito grato pelo carinho e consideração, o respeito é mútuo, grande abraço.

Zana Sampaio disse...

nossa, que correnteza...fantástica!!!

Zinaldo Velame disse...

Vejo muitas notas musicais nestas belas palavras, abraço!

Luciano Fraga disse...

Zana, pode ser uma correnteza, mas não uma corrente com orações, pedindo volta(rs), obrigado, abraço.

Luciano Fraga disse...

Zina, fique à vontade, grande abraço.

Devir disse...

Nossa!!!

Havia prometido aos meus canalhas no cafundó de minha alma que não misturaria jamais esse tesão virtual(?) com o trabalho sério/objetivo/chato. Estou no horário do almoço e acho que vou brisar o resto da tarde. Este poema chapou!!!