quinta-feira, maio 21, 2009

CENÁRIOS

It's Easy To Forget, Jeff Bark,2008
Todos os créditos para a seleção desta imagem para o amigo Lord of Erewhon

Meu instinto depredado
encandeia embriões
que fariam de mim um barco
de futuro incerto,
pano de fundo beato,
armadilha para memória fraca,
condição obscura
concebida na noite desmontada...
Martelo, martelo
até sentir um alívio
quando desabo em minhas sujeiras
para continuar cartilagem
quebrando pedras e mimos
no veio de alguma zona erógena
dos meus miolos cristalizados,
sem sequer usar luvas...
Luciano Fraga

27 comentários:

O BAR DO OSSIAN disse...

Não tem de quê, Luciano. É um belo poema.

Abraço!

Lord of Erewhon

ronaldo braga disse...

martelo o que me nartela.
o martelo é o simbolo deste poema.
um mundo onde o conhecer não salva, apenas permite saber a dor.

Adriana Godoy disse...

"quando desabo em minhas sujeiras
para continuar cartilagem
quebrando pedras e mimos" Luciano, você é um martelo que sabe bater o prego na medida certa, quando acerta o dedo, vem a dor, mas de tão bela, não dói tanto. Adorei.Beijo

Adriana Godoy disse...

Imagem incrível!!! Parabéns ao Lord.

Cosmunicando disse...

meu instinto poderia fazer de mim um barco de futuro incerto e eu entraria na tempestade feliz da vida... adorei =)

abraços

Vinícius Paes disse...

Incrível, tá martelando em minha cabeça. Leio, leio, leio. e ainda martela minha cabeça.

abraço.

pianistaboxeador21 disse...

Muito bom!
E belíssima imagem, poeta.

Abração

Luciano Fraga disse...

Caro amigo Lord, continuo a agradecer sua valorosa atenção, abraço.

Luciano Fraga disse...

Adriana, muito obrigado, a imagem foi arte do sr Lord, uma beleza mesmo.Beijo.
P.S. Ainda estou esperando,se possível mande seu email.

Luciano Fraga disse...

Braga, em tudo aquilo que é sólido, metálico em mim faço uso do martelo e vou martelando, martelando, fizemos muito isso com solas de sapatos, abraço.

Luciano Fraga disse...

Cosmunicando, refiro-me a barco de futuro incerto, mas não gostaria que fosse um TITANIC (rs), obrigado abraço.

Luciano Fraga disse...

Cuidado meu amigo Vinicius para não fundir a cuca, obrigado, abraço.

Zana Sampaio disse...

os institos maculam as mãos com digitais da existência. gostei muito do poema!

Luciano Fraga disse...

Daniel, obrigado velho, abraço.

Luciano Fraga disse...

Zana, certos instintos, muitas vezes maculam corações e mentes também.Abraço.

Adriana Godoy disse...

adrianagodoy@uol.com.br

Camila Vardarac disse...

as luvas proliferam a doença da higiene que corrói a ambiguidade como se fosse suco gástrico.

aqui estou
materializada em bits
pra matar as saudads

beijos, fraga!

Devir disse...

Sim
Sim, confesso
Eu tenho uma represa
Eu me sinto represado
Coloquei até uma placa
Represa de tesão

Claro que vou esquecê-la
dias ou outro
e tambem fazê-la de alvo
balas urinas murros e beijos frios
antes de romper-me
para lavar minha alma

Sim, por isso pareço parado
a luz fornecida é confusa
in(não)segura vossos olhos
mas, prometo, suar sangue
e lágrimas, para me reconstruir
tão logo passe a inundação.

Amém, poeta.

Marcia Barbieri disse...

"Martelo, martelo
até sentir um alívio
quando desabo em minhas sujeiras
para continuar cartilagem".

seus versos vertem genialidade

Luciano Fraga disse...

Querida Márcia grato pela grandiosa gentileza, abração.

Luciano Fraga disse...

Caro Devir,mesmo depois de uma guerra causadora de todo tipo de devastação e desolação, mesmo que sejamos reduzidos a cinzas, ficam os vestígios pulsando sobre escombros para a reconstrução, grande abraço.

Luciano Fraga disse...

Camila, é preciso ter estômago de avestruz para conseguir digerir certas oferendas ditas limpas e saudáveis, mas nos consomem...Saudades mesmo, abração.

anjobaldio disse...

Buenas, muito bom mesmo. Grande abraço.

Guru Martins disse...

...tens
que pegar
no pesado!...

abraço

Luciano Fraga disse...

Buenas, valeu, obrigado, abraço.

Luciano Fraga disse...

Caro Guru, o trabalho braçal deixa a mente livre...Abraço.

Inominável Ser disse...

Um poema encarnante de buscas internas, de apegos e desapegos, de abissais formas de realizar uma catarse existencial completa...

Inomináveis Saudações, Luciano Fraga. Descobri o vosso blog através de uma amiga em comum que temos, a Luciana Godoy. Vossos xersos pulsam em vias que conheço muitíssimo bem, muiitíssimo bem...