sábado, junho 02, 2007



Cães ladram pela madrugada

refletindo sangrentos caninos
sobre lamina d’água
gatos rasgam a calada da noite
com gritos histéricos de sexo.
Quanto a mim assisto moribundo
a queda dissonante de minhas folhas
expondo cicatrizes latentes
de minhas vaidades ignóbeis
enquanto o tic tac neurótico das horas
acelera meu coração para o fim...



Luciano Fraga



2 comentários:

Braga e Poesia disse...

Luciano Fraga o poeta dos sentimentos e das dores homericas, o cantor da verdade d'alma, o poeta das canções sofridas, de peles em estados latentes e prestes a explodir, um poeta que solta os horrores da alma humana.
Você traduz as invisibilidades não em palavras, mas sim em realidades nascidas das entre-linhas de sua sentenças.

Nelson Magalhães Filho disse...

O blog continua... vida longa, puta-madre!