terça-feira, maio 22, 2007

POEMAS DE LINALDO GUEDES


Armadilha

ainda tive tempo
de fingir indiferença
aos teus olhares
tive tempo
mas não arrisquei
fugir ao círculo de fogo
que teus olhos desenhavam no calendário.


Pássaro

um sexo
espreguiça-se dentro do jeans:
quer liberdade
para ser aprisionado
por tuas mãos frágeis.


Boato

dizem
que a saudade
repousa inquieta
no ombro esquerdo
da lua apática.


Perfume

entre
serras
cercas
e cenas mudas
repousa
o hálito
barroco
de teu corpo.



Abismo

você foge de mim
(não
como o diabo da cruz)
-enquanto
cultiva pétalas de ferrugem na alma.


Neblina

noite
tempo exato
para renovar a solidão
(e você
que continua
secando seus desejos no sertão).
Tédio
na lua
criou-se
uma teia de aranha
a culpa foi sua
que não quis esperar pelo amanhecer.




3 comentários:

versos&perversos disse...

versos&perversos,com grande alegria publica os poemas do Linaldo.Este espaço é todo seu.São os bons poetas que mandam.Abraço,Luciano Fraga.

Linaldo disse...

Luciano, amigo, obrigado pela divulgação da minha poesia. Muito bom este espaço seu aqui. abraços

ronaldo braga disse...

O linaldo é um poeta retado