sexta-feira, outubro 01, 2010


AMORES CASTORES



Falemos de amenidades
e cada vez menos
de: EU&VOCÊ...
As forças do além,
não estão além
nem aquém de nós,
nem além dos arco íris
evaporados,
nem além dos túmulos
habitados por mais de um...
Falemos, falemos e falemos;
pois incansávelmente
e cada vez menos
do amor que foi superado...





Luciano Fraga

7 comentários:

Mirze Souza disse...

Luciano querido amigo!

Falemos de amenidades, pois que é morto o amor.

O supérfluo é muito importante. E há tanta matéria viva dentro de nós.....


Beijos, poeta!

Mirze

Adriana Godoy disse...

Poeta querido, simplesmente lindo esse poema que não fala de dois mas são os dois. Beijo

ronaldobraga disse...

mais um, mais um fraga.
quando se conversa a relação, o amor já foi.
é poeta. a poesia pode viver nas nuvens mas somente fala do cotidiano e esse poema revela quanto do dia a dia tem a poesia

Mai disse...

Perigosamente, um amor nunca é casual. Mas quando foi...o melhor mesmo é nada falar.
De resto, das sobras se faz poesia. Amarga, definitiva e bela.

grande abraço

Ana disse...

OLá Luciano,

Eu sinto,
Tu sentes,
Ele(a)sente,
Aqueles que não sentem,um dia
sentirão.
Emfim,amor não se define,
"se sente".
Você encanta com esse poema e
desperta muitas emoções.
A dança do amor è densa.

Abraços,

Ana Lago.

Luciano Fraga disse...

Caros amigos,agradeço o apoio com as valiosas presenças, o tempo e os encargos tem-me tomado o tempo para que eu possa manter as correspondências em dia,bem como as postagens,mil desculpas. Abraço.

guru martins disse...

...pra sempre
irreverente...

aquele abraço