quarta-feira, julho 08, 2009

DOS TRÊS MAL AMADOS- Cordel do fogo encantado

Natureza Morta-Márcio Carneiro- serie fotografia-2009



O amor comeu meu nome, minha identidade, meu retrato
O amor comeu minha certidão de idade, minha genealogia,
meu endereço
O amor comeu meus cartões de visita, o amor veio e
comeu todos os papéis onde eu escrevera meu nome
O amor comeu minhas roupas, meus lenços e minhas
camisas,
O amor comeu metros e metros de gravatas
O amor comeu a medida dos meus ternos, o número de
meus sapatos, o tamanho de meus pés, a cor de meus
olhos e de meus cabelos
O amor comeu minha paz e minha guerra, meu dia e
minha noite, meu inverno e meu verão
Comeu meu silêncio, minha dor de cabeça, meu medo de
morte

27 comentários:

Nanda Assis disse...

o amor tem disso, ele adoro nos tirar tudo.

bjosss...

Anita Mendes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anita Mendes disse...

e ele ainda tem fome de quê?!
o amor deveria ser o oitavo pecado capital!
gostei muito, beleza de poema!
beijos pra ti, lu.
Anita Mendes.

Mirse disse...

Que lindo poema!

Concluo, que pelo fato dele se alimentar de tudo que é seu, simbólicamente falando, o amor te ama.

De repente, ele se identifica com você e a fusão é tanta que você acaba sendo a própria figura do amor.

Gostei!

Parabéns!

Beijos

Mirse

Ana disse...

O amor não se alegra com a injustiça..Mas regozija-se com a verdade. Está sempre ponto pra pedoar , tudo perdoa, tudo crê,espera e suporta, seja o que vinher.. A vida, a esperança , e a longa jornada adiante!
O amor é como o vento, não posso ver , mais posso sentir..
Abraços!

Ana disse...

Esquece de comentar .. seu poema é lindo!
beijos..

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Adorei!

Adriana Godoy disse...

Que fome tem o amor, não. Um belo poema que nos engole de tão lindo, de tão saboroso, de tanta poesia. Luciano, cada vez mais admiro sua arte. Beijo.

Luciano Fraga disse...

Nanda, não é o amor em si, são os amores, abraço.

Luciano Fraga disse...

Anita, gostei da proposta, vamos criar um projeto de lei, abração amiga.

Luciano Fraga disse...

Mirse,excelente sua visão, ao invés de metamorfosear, uma fusão, unicidade entre ser e amor, abraço.

Luciano Fraga disse...

Ana, seu comentário já diz respeito ao próprio poema, abraço.

Luciano Fraga disse...

Rebeca e Jotacê*~,é um belo poema, obrigado pela visita, abraço.

Luciano Fraga disse...

Adriana, minha querida poeta,sinto muito se te desapontei, este poema não é da minha autoria e sim da Banda Cordel do Fogo Encantado,também fui fisgado e pirei com a linguagem do mesmo e resolvi publicar, mas a emoção continua, abração.

marcio mc disse...

Amor é fogo que arde sem se ver; É ferida que dói e não se sente; É um contentamento descontente; É dor que desatina sem doer; ...


Muito bom.Grande abraço.

Luciano Fraga disse...

Márcio,é uma tocha acesa mesmo, grande abraço.

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Luciano,

O amor quando vem é assim, acabando com tudo pra se sentir novo.

Espero não perder contato.

Que sua sexta seja de luz!

=]

Rebeca

-

Luciano Fraga disse...

Rebeca,é mesmo assim, renovação.Com certeza não perderemos os contatos.Muita luz para ti também,obrigado, abraço.

tania não desista disse...

amor... é a melhor coisa do mundo!
é sério!
se cada um...sente de um jeito...podemos apreciá-los!
contem pra nós!..são experiências
...pra lá de amorosas! salve cordel do fogo...jogou lenha!
valeu ,luciano
abraços

Luciano Fraga disse...

Tania, realmente o amor tem suas nuances e peculiaridades e cada um enxerga-os ao seu bel prazer, não é mesmo?O cordel é muito bom, grande abraço.

Adriana Godoy disse...

Não decepcionou. O que vale são os versos. Realmente, achei diferente de seu estilo, mas achei que fosse seu mesmo. Valeu, poeta!! Aguardo o próximo. Beijo.

Devir disse...

Belo e grave poema
em fogo encantado

Aquela fogueira na madrugada
sem ver, sem ser visto

Enquanto cantamos tocamos dançamos
o amor está alí em cada um

preso ou livre, não importa
quando quiser, busca outro

E nos faz sofrer, cruel, é Deus
é diabo, é o que ninguem pode

É o que não devemos evitar
para viver pelo menos de manhã

Sem olhos, sem gravatas, sem dor
as coisas denecessárias para amar

Marcia Barbieri disse...

Eu amo Cordel do Fogo Encantado!!! Esse poemaétão bom quantoos teus,por isso perdoo as confusões qto à autoria.


beijos sempre carinhosos

Luciano Fraga disse...

Adriana poeta querida,vale mesmo a poesia, ainda bem não é?Abração.

Luciano Fraga disse...

Márcia, a falha na realidade foi minha,deveria ter deixado mais claro no título.A banda é muito boa mas pouco conhecida, obrigado, abraço.

Luciano Fraga disse...

Devir, sem olhos, sem sapatos,sem nada, despido como anjos,ou demônios(será que andam vestidos?), ou mesmo como o amor que certamente dispensa as vestes, grande abraço.

weuler disse...

literatura de cordel e bom.
mas cordel do fogo encantado
e perfeito.