quinta-feira, março 05, 2009

Sara Maia-Burlesco

BURLESCO


Somente revolvendo
as ruínas
podemos tocar
o preponderante
em nós,
as profundezas...
Apalpo meus pântanos
pois perdi as asas,
afundei-me nas entranhas
e sei que não chegarei
a lugar algum,
também não sei
se é bom
ou ruim,
ir ou vir
uma e outra vez,
mas vivo ancorado
na coragem,
na sua carne e osso
pendurado em seu pescoço
diante das contingências
da minha compreensão
que vive descarrilada
numa península carnal
dita humaníssima...


Luciano Fraga

23 comentários:

Cosmunicando disse...

bela reflexão do mergulho na própria sombra, muito bom!
abraço

On The Rocks disse...

d. luchiano,

reflexão profunda!

estarei em cruz neste fim de semana. beberemos em turíbio?

buenas!

Luciano Fraga disse...

Buenas, infelizmente não vou viajar neste final de semana, sinto muito, "mais uma dose, é claro que eu tô afim, a noite nunca tem fim..." abração.

Luciano Fraga disse...

Amiga cosmunicando, sempre proveitoso o mergulho nas sombras e no escuro de nós, não é? Abraço.

Adriana disse...

Os pântanos de nós mesmos podem guardar segredos que nos fazem emergir subitamente. Poema lindo esse, Luciano, de ler e reler e cada vez encontrar mais sentidos. Beijo.

Devir disse...

Não queria
mas estou sempre
fora do aquário

Meu beijo
nunca atinge a boca
sempre fere a nuca

Meu murro é carinho
e o desdém um afago
incompreensível ao nada

E queria
mas nunca estou
somente à espera

Quando ninguém
inflama minha ausência
apago meu orgulho

*******************************

Continua a mesma lira honesta...

********************************

Chat: como só voce, Luciano
venceu seu asco feito crachá
quando não estamos diante dos olhos
e me concedeu contato rasoável
peço mais uma vez sua visita
coloquei um post mais contundente lá, apareça e comente, preciso

aquele abraço

Zana Sampaio disse...

a quanto tempo nesse pântano, mas ainda lembro das asas que tive e tudo isso me faz rir, a vida é feita de material altamente burlesco. Lindo lindo teu poema!

ronaldo braga disse...

revolvendo e não remoendo, assim eu vejo este poema, que tem a marca do ver o mundo de luciano.
forte.
abraços

Ca:mila disse...

"Apalpo meus pântanos
pois perdi as asas"

isso é caravaggio

belíssimo.

Zinaldo Velame disse...

Só me resta dizer, demais! Parece que eu vivo também "ancorado na coragem", demais! Abraço, Luciano.

Luciano Fraga disse...

Adriana, precisamos visitar nossos pântanos e encararmos nossos piores segredos,obrigado, beijo.

Luciano Fraga disse...

Devir,"quando ninguém inflama minha ausência, apago meu orgulho", muito profundo cara, irei lá sim, obrigado , abraço.

Luciano Fraga disse...

Zana,muitas vezes também burlamos a vida e à nós mesmos...Abraço.

Luciano Fraga disse...

Braga, isto é sabedoria, revolver sem remoer, abraço.

Luciano Fraga disse...

Camila, sua opinião pesa, obrigado.

Luciano Fraga disse...

Zina, bom que ainda nos resta a coragem, abração.

Devir disse...

Versos e perversos, simultaneos
são sentimentos e pessoas, aqueles
exclusivamente relevantes são
farois e constelações, estes
pervertidos impossíveis criminosos
são sobreviventes da crucificação

Porque não basta ser pai, rss...
para abraçarmos Sua Sabedoria

aquele abraço

Mv disse...

Olá a todos,

Venho convidá-los para a exibição do curta-metragem Clemência dentro do Panorama Internacional Coisa de Cinema

Dia 20 de Março às 18hs

No Espaço Unibanco de Cinema Glauber Rocha
localizado na praça Castro Alves, Salvador-BA.

Marcia Barbieri disse...

Lindo, tb tento me agarrar ao que resta...espero que valha a pena~.

serei rápida, ainda estou sem computador

beijos ternos

Luciano Fraga disse...

Márcia , obrigado até mesmo pelo esforço, sei o que é ficar sem este equipamento, beijo.

marcio mc disse...

Muito bom,muito bom!

Guru Martins disse...

...cumpadi.
Já li,não sei onde,
nem quando e já comentei
também com Marcia,
que escrevemos pra
nos livrar das emoções...
não concordo plenamente
com isso, mas no caso de voces
concordo plenamente.
Catarse...

aquele abraço

bat_trash disse...

Pra penetrar nas profunidades de pântano tem que se ter coragem mesmo. Aunda que se volte, após o retono tudo muda.

Beijos.