sábado, agosto 30, 2008

CREPÚSCULO


Quando a criança morreu,
Seus assassinos colocaram novos sapatos vermelhos de bico fino
e marcharam rumo às universidades, aos escritórios, aos supermercados, ao saco escrotal da psicologia moderna
Ao cu do Freud com Jung aplaudindo.
Já vinha a noite já, mas ainda havia luz
E os bares vendiam cerveja
E nossas mães estavam longe
E eu estudava ainda...
Ó crepúsculo insano e vermelho
Ó outubro estranho
Ó rio de ratos e baratas deste chão
Ó corda velha de varal que não arrebenta
Um real o metro e teus sonhos todos dependurados
Ó Rogério, gnomo mais triste do mundo.
Vai o Sol quente e indiferente
Já pararam para imaginar a casa vazia e suja?
Fogão velho
Botijão de gás novo
Geladeira alienada e vazia
A cama, nunca arrumada
O som, meu Deus
O som.
E o corpo pendurado no meio, sozinho
Já pararam para imaginar ele enchendo sozinho sua mochila de morte?
E no acadêmico as meninas flertavam com os rapazes, que olhavam as meninas.
Já pararam para imaginar o quão vazio era o silêncio?
E na cantina tagarelavam os professores ao jazz de colheres nas xícaras de café.
Já pararam para imaginar as mãos ficando roxas, as unhas, sem meia-lua, ficando roxas, os olhos fora das órbitas e as órbitas abertas ao nada?
Já pararam para imaginar o cansaço, a tristeza, o ódio, o tédio, a sensação de abandono, as unhas rasgando a carne do pescoço tentando em vão talvez voltar?

Um cachorro entra pela porta
(Vem a morte vestida de mosca e põe larvas no menino)
As creches soltam as crianças nas tardes onde as crianças ainda têm mães
(Vem a morte vestida de mosca e tira a música do menino)
Um semáforo fica vermelho, um pedreiro cai do andaime, um marceneiro perde os dedos, um açougueiro mói as mãos
(Vem a morte vestida de mosca, varejeira, e toca alegre a vinheta do vídeo show)
Uma mulher olha sentada da cama
(Vem a morte vestida de noiva e corta as unhas do menino)

Água estancada
Pedra
A letra U
Um urubu
O silêncio
As notas mais graves
Cruz
A barba que cresce indiferente
A cor preta
Um rato morto na rua Procópio Dias
Um carro quebrado
Uma pedra de gelo
Uma camisa do Náutico, do Corinthians, do Fluminense.
Um bom conselho
Você tentando dar comida na boca da Sílvia doida
Um trem azul
Uma voz de criança ao telefone
Um contra-baixo
Um porco magro
Um palco vazio
Um estádio de futebol
Uma caneta
A pasta na mão e o plano de partida.
Nunca mais seremos os mesmos, Rogério.
Nunca mais sorriremos nos bares tomando cerveja e ouvindo o clube da esquina.
Nunca mais voltaremos à nossa velha casinha velha
“Houvera tantas madrugadas em vão nessa esquina?”
AAAhhh!!! Quebra o gelo, irrompe o escuro, explode o delírio,
Mas volta parceiro, nem que seja em sonho.


Daniel
http://pianistaboxeador21.blogspot.com/

10 comentários:

Guru Martins disse...

Bacana sua escrita.
Apareça quando quiser no Balaio. Você será bem-vindo.

Grande abraço e sucesso!

ronaldo braga disse...

interessante. e diferente.

Marcia Barbieri disse...

Luciano,
fique à vontade para transportar para o seu blog o que quiser,na verdade me sinto lisonjeada. Além do mais quanto mais gente lê,mais feliz fico. Gostei tbém da sua percepção para enxergar a metáfora os olhos de peixe. Afinal ela será uma imagem recorrente.
beijos
Marcia

pianistaboxeador21 disse...

Obrigado por divulgar meu poema, parceiro. Sinta-se sempre em casa no pianista.Vaou lincar vc e voltarei sempre aqui. Muito obrigado.

Daniel

biazinha disse...

No fundo nossa sociedade é a maior facínora que enverniza marginais que carregam canudos debaixo do sovaco, e o que é grave acaba por se tornar rotineiro e banal.
Excelente poema. Daniel realmente é um poetaço!

Beijinho.

Luciano Fraga disse...

Biazinha, ainda bem que temos nossas armas:uma caneta e um pedaço de papel em branco ou qualquer outra cor para lançarmos nossas poesias como forma de indignação, abraço.

Luciano Fraga disse...

Márcia, obrigado,estarei publicando o seu texto maravilhoso,beijo.

Luciano Fraga disse...

Pianista(Daniel),este poema é uma verdadeira granada emocional, pura alma velho,por isso não tive outra alternativa senão publicar, outros virão,abraço.

Luciano Fraga disse...

Ronaldo, com certeza, visite o blog do Daniel,muito bom, é um dos nossos.

Luciano Fraga disse...

Guru Martins,obrigado pela visita, vou aparecer por lá sim, abraço.