domingo, julho 20, 2008

A poesia de Zinaldo Velame


O dia seguinte


Acordei

Ainda pirado
Sentindo o peso da noite
Sei que errei
E quero reparar o mal
Que fiz a você
Às vezes me perco
E caio do barco
Cheio de pavor e medo
Me afogo no passado
Fortes marcas de dor
Me levando loucamente
A dar murros para todos os lados
Me chama de rei
Acende um cigarro
Vamos pra longe viajar
Será minha lei
Só pensar em me banhar
No teu suor impregnado de amor.


Zinaldo Velame

5 comentários:

Luciano Fraga disse...

zina,jorrando poesia para todos os lados,uma beleza!

Zinaldo Velame disse...

1996 foi um ano especial pra mim, desesperos, paixões, acordes, viagens, brigas... ...enfim, tudo que leva um cara a escrever. Assisti no blog de Ronaldo o programa Interditado, gostei pra caramba dos poemas lidos, tanto o seu quanto o de Ronaldo. Interditado vai pegar! Obrigado pela força, pena que estamos sem nos falar pessoalmente, as datas não estão combinando. Abraço!

Luciano Fraga disse...

zina,não faltará tempo.Com alguns ajustes(já disse pra ele),o Interditado tem tudo para pegar,bom espaço para divulgação de todos nós e inovadora a idéia,gostei muito.Abraço!

ronaldo braga disse...

zinaldo vc cantando em alice me encantou eu disse a nelson magalhães filho.
vamos cantar no interditado.

Zinaldo Velame disse...

Será um prazer, Ronaldo. Que bom que você gostou de Rastro, fico muito alegre com suas palavras. Abraço Fraga, abraço Ronaldo!