segunda-feira, novembro 12, 2007

DE SACO CHEIO

“... De tarde um dom de latas velhas

se atraca em meu olho...”M. de Barros



Tudo insosso,nem banzo, nem euforia
no corpo
da casa 22.
Alforria sim
é poder
guiar o pêndulo,
a invisível roda
gigante
no instante mais abismal;
encontrar prantos,
pratos feitos
os sorrisos adornados
lampejos,
goles,
lábios para cruzar...
Quando zumbia a cautela
pelas frestas sinistras
das chaminés,
um velho resmungava
suplicando
de cócoras para ela
a galáxia
mais elevada:
salpica-me!
com a sorte,
traga-me pelos pés
a bebida,
o enxofre,
um convés,
uns trapos,
um barraco
em que possa enfiar
os meus restos
cozidos
antes que a morte
congele este traste
ou assopre nos ouvidos
uma melodia plena
de contrastes
com sotaque humanista
que nos faz repousar
coberto de moscas...



Luciano Fraga

Um comentário:

polly disse...

ESTAS "LATAS VELHAS" SEMPRE COMIGO AOS DOMINGOS.