domingo, novembro 29, 2009

Tela- Nelson M. Filho

ESTILHAÇADO-2



Eu conto as horas
e a alergia que cora
a ponta do meu nariz
que cresce a cada dia
ao pé da mentira
que você contou .
Fez de minha infância
uma busca
pelo leite derramado
na escuridão,
uma fome de peito
de obsoleto neném...
Meu olho
absoluto mira...
Eu ainda continuo
contando as horas
que você me explorou,
agora,
é você quem cora
com o aperto
de nó górdio.
que o mundo lhes doou..



Luciano Fraga

17 comentários:

Braga e Poesia disse...

onde estará o olhar de quem absoluto mira?
fraga, somente estilhaçado poderemos nos re-compor, feliz daquele que se sabe estilhaçado.
as pessoas hoje querem serem o melhor e apenas seres humanos antes querem ser deuses.
primeiro os bois se disseram filhos de deus, hoje o boi já se considera o proprio deus.
assim caminha a boiada.

Braga e Poesia disse...

(correção)as pessoas querem serem as melhores e não apenas seres humanos

guru martins disse...

...essa é daquelas
que vem de uma vez
velóz
ágil
intensa
carrega a
mensagem
do pichador
esprei numa mão
um olho no muro
o outro vigiando
a policia
diz o que tem de dizer
e tchau!!!!


valeu cumpadi!!!

Luciano Fraga disse...

Caro Braga,perfeita suas colocações,recusar enxergar-se em dado instante estilhaçado e aceitar a redenção como providência na plenitude da passividade, é um enxergar relativo, é o que considero fé;diferente da convicção que encara e enfrenta de forma positiva e absoluta o que lhe infligiu, sem o disfarce de mentir para si mesmo, sem medo do que vai encontrar em si, independente de ciecunstâncias, principalmente as morais, que a cada instante tornam-se mais solidificadas pelos bois.Se alguém sorrir por último por qualquer motivo,até mesmo por ressentimento, não serei essa pessoa,não tenho a última palavra.Forte abraço.

Luciano Fraga disse...

Caro Guru,até agora sigo correndo sem parar e sem olhar para trás,lá vem os "home" e assim vamos tentando escapar, grande abraço.

anjobaldio disse...

Muito bom Buenas. Valeu também pela pintura do anjo! Grande abraço.

Anita Mendes disse...

ai querido lu, que beleza de poema mesmo tendo esse toque de dor.
o tempo sempre nos aprontando histórias ,né?... mas o que fazer se não o podemos controlar e nem apagar essas pequenas manchas da memória... e o que fazer quando o que ficam são somente horas? (tantas perguntas!!!)acho que elas querem apenas mais histórias pra contar( sejam elas boas ou não).e que venha o proximo capítulo!
"Eu ainda continuo
contando as horas
que você me explorou,
agora,
é você quem cora
com o aperto
de nó górdio." amei essa parte!
beijokas eternas ...
Anita.

Adriana Godoy disse...

Poeta querido, que poema, heim? Faz chorar e encanta. Aperta o nó na garganta, mas possibilita respirar. Maravilhoso e forte. Beijo.

Luciano Fraga disse...

Buenas, não tem de que,suas pinturas são clássicos, sou um fã e a honra é minha, abraço.

Luciano Fraga disse...

Anita, são sombras impregnadas que de uma forma ou outra todos nós carregamos, mas devemos buscar desfazê-las, desatar os nós e seguir em frente,sem ressentimentos ou mágoas, beijo.

Luciano Fraga disse...

Adriana,desatar os nós e os enganos, superar e eliminar todo e qualquer resquício de rancor ou marca que cause angústias, beijo.

Fernanda Magalhães disse...

Lu vc é incrível na palavras!

Já estava com saudades daqui...

Um abraço querido!

Zinaldo Velame disse...

Dom Luciano, saudações! Eu li cantarolando este belo poema, sem instrumento, um tango talvez, deixei o celular gravando, amanhã escutarei. A tela de NMF caiu bem, você acertou na mosca. Espero te encontrar por esses dias, abraço!

Luciano Fraga disse...

Fernanda, obrigado, saudades de sua presença também, abraço.

Luciano Fraga disse...

Zina, estarei em Cruz neste final de semana, nos encontraremos certamente.O texto está em boas mãos, abraço.

Marcia Barbieri disse...

"uma busca
pelo leite derramado
na escuridão", lindíssima imagem!!!!

beijos

Mirse Maria disse...

Luciano, meu amigo!

Falaste por mim!

É isso mesmo! Belo, forte, intenso e real!

Beijos

Mirse