segunda-feira, outubro 26, 2009

ASSIM CAMINHA A HUMANIDADE?






"O Rio faz suas margens, ou são as margens que fazem o Rio?"

Voce não quebra a cabeça na pedra, mas a pedra quebra sua cabeça, Rafael Ilha. Voce se faz de coitado, quer ser mais idiota que os idiotas. Parece que as fontes gostam, elas fazem como voce, às vezes, ou "quase sempre" na sua língua de camaleão pedra, quando se vêem, e assim também lhe vêem quando se vê no espelho e vê suas transformações na pele, na face, nos olhos, no tamanho. Parece que as fontes gostam, depois destas transmutações de sua imagem, guardam as delas atrás da orelha e voce as guarda na gaveta, no armário, na brecha do forro, esconde no quintal, etc. Assim como as fontes, ninguém pode saber, quer dizer, "só as minas".As fontes adoram saber que voce, depois de perceber todas as coisas, fica triste, mas de uma tristeza "legal", diferente dessas tristezas inerente à realidade, e se isola e chora açucaradas lágrimas ouvindo Starless and Bible Black do Crimson, todo culpado por elas.Voce sabe que elas não tem escolhas, que ninguém, "dentro da mais profunda necessidade", possui porra nenhuma.Que toda dor é dividida, seja sua música, seja sua pedra.Voce não sabe que as fontes só querem a música, voce não aceita e, por sua velha contradição sexual, se se compaixona. Voce se acha bonito, e dá mais e mais pauladas nessa droga da auto compaixão. Voce quer fugir de ser mais um paulatino da civilização, rafael qualquer ilha?Voce até que tentou se fazer de vinho e creme e rebolados quando criança.Mas o vinho azedou, não fechou tão bem seus olhos, excomungou-se, depois a família e agora a sociedade ébria em seu "paraíso artificial"(Baudelaire).O creme não escondeu os reflexos prematuros da ressaca.Não conseguiu dançar conforme a "música".Espera um momento de inspiração do "Datena", porque até o Zagalo teve, dizer que aqui na Terra ninguém enfrenta a ressaca como só voce, "o único", a enfrentou com coragem e heroísmo, sem morrer nessa merda de vida artificial.Sonha sem qualquer contra gosto acordar com a Ana Maria Braga dizendo que voce é a "prova mais cabal" da impossibilidade do herói sem coragem e só de beleza.E ainda quer uma chance de se expressar, rebolar até se preciso for, no roda viva do Estado.Esperanças e sonhos e pequenas autoridades nos assuntos, é sua senda brasileira, Cara.E feito, sob ou sem efeito de drogas lícitas ou ilícitas, qualquer babaca careta covarde, também faz tudo ao contrário.Reza para deuses mediatos, fantasia o imediato e ignora as grandes autoridades nos assuntos.Quando voce pensa que não tem nada deles, eles pensam que não tem tudo de voce.Enquanto voce se quer tão competente e singular eles são tão elegantemente plurais, e também quando voce se limpa, se perfuma e se iguala higienicamente na guerra de espírito eles se acham tão singular. Diferença e indiferença, cara e coroa, corações e mentes, oito ou oitenta, todos os extremos ingredientes ou sobras do meio são sua paz de espirito.Mas, companheiro, se precisar encontrar ajuda, se seu lado babaca careta covarde merecer sequer uma chance, tente achar uma companhia inteira, porque elas existem, são as eternas excessões ou outros extremos, aonde os espiritos não sejam esterilizados ao ponto da inexistência de Vida; sem a qual não há a menor chance para voce e nem para ninguém. Acima de tudo, com ou - dê preferência sempre à sua "saúde" - no drugs, persista, porque em vida o humano prevalece.
"A concepção humanista da "realidade", como algo resistente, contudo maleável, que controla nosso pensamento como uma energia que deve ser levada em "conta" incessantemente (embora não necessariamente meramente copiada) é evidentemente uma dificuldade que se apresenta aos neófitos. A situação faz-me lembrar de uma pela qual passei pessoalmente. Certa vez escrevi um ensaio sobre o nosso direito de acreditar, que, infelizmente, chamei de Desejo de Acreditar. Todos os críticos, niglegenciando o ensaio, caíram sobre o título. Psicologicamente era impossível, moralmente, iníquo. "Desejo de enganar", "desejo de fingir", foram espirituosamente proposto como títulos substitutos."(William James)
Fica esperto, cresça de fato, vai com fé e coragem e alegria, gratuita mesmo!, de encontro com seu destino, Ser. Estamos todos, neste momento atual da civilização, prestes a institucionalizar, como fazem os viciados em qualquer coisa, o não-humano da indiferença e da melhor atenção canina, e se Deus precisa existir, Ele vai precisar estar dormindo mesmo(!) para não ver o que pode acontecer com os extremos, inclusive democráticos.Finalmente, ilustrando minha neutralidade sem indiferença(!) e jamais encima de muros, ainda no assunto sobre novas ondas que nem sempre quebram em praias alegres, para todo rafael ilhas e continentes, tomando o conceito de metáfora poética ao extremo, surfar é sempre um bom motivo, mas jamais uma boa desculpa.Um forte abraço, garoto.

Atenção a todos(!): para quem não entendeu este texto, somente porque não tem conhecimentos eficientes porém muita naturalidade humana(!), desejo-lhes a paciência dos verdadeiros heróis da resistência, e para aqueles(as) que possuem conhecimentos somente suficientes e pouca naturalidade humana (o bem e o mal em dialética), desejo-lhes "rajadas e mais rajadas de água bem gelada(!) para que acordem definitivamente", em nome do verdadeiro conceito de Democracia, que suplanta o pão e circo da indolência.


TEXTO DE DEVIR-Blog Antes dos nomes

30 comentários:

Adriana Godoy disse...

Luciano, esse texto do Devir está menos truncado que os outros. Deu pra perceber(ou entendi mal) a solidariedade dele para com o Rafael, de uma maneira única que só o Devir sabe fazer. Então, tá valendo...embora não simpatize neum pouco com esse Rafael... depois que ele tentou se tornar o pastor dos viciados...sei lá. Bem, um beijo, poeta.

Luciano Fraga disse...

Adriana,para mim o Rafael é uma figura que pouco influi(artisticamente), ou nada,entendi da mesma forma que você, achei muito solidária a postura e a forma de abordagem do Devir, assim pedi para publicar o texto, olhando por uma questão do sofrimento/aflição do ser humano, beijo.

Mirse Maria disse...

Texto um pouco truncado e de muita revolta!

àqueles que gostariam de aparecer na mídia à troco de pequenas publicações ou gestos públicos, vale a palavra e o texto de Devir.

Para mim, prefiro a clareza e o sorriso verdadeiro, à uma prosa densa sem saber qual o o nome do santo, e o milagrs feito.

Fez bem postar, Luciano!

Mistérios existem!

Beijos

Mirse

Luciano Fraga disse...

Tania amiga, vou a galope em direção da vitória, abraço.

Luciano Fraga disse...

Querida Mirse,ninguém é vítima de atitudes alheias, somos responsáveis por nossos atos quando adquirimos maturidade, ou quando temos uma base mental estruturada, que sabe destinguir as encruzilhadas, do contrário, somos como penas, levadas pelo vento e acho que a mídia faz muito isso, engorda e porco para depois abatê-lo ou entregá-lo aos abutres, o texto é bastante reflexivo mesmo, grande abraço.

Fernanda Magalhães disse...

...acho que a mídia faz muito isso, engorda e porco para depois abatê-lo ou entregá-lo aos abutres...

Realidade nojenta!!


Uma abraço querido

Anita Mendes disse...

eu tinha lido esse texto do Devir... boa escolha! beijos nos dois..(rs)

Ana disse...

É Sr. Devir,
Do Rio,que tudo arrasta-se violento.Muitas vezes,como todo rio
apresenta turbulência terríveis,e
até uma após a outra.
Más,sempre há caumarias tão fortes
que pensamos...trata-se de um Lago,
mais é um lago tão profundo e o seu fim ninguem conhece!!
Sabe o que é??
"O nome desse rio é VIDA".
I ele acompanha todos os nossos dias...na margem de acá e continua
operante na margem de acolá.
"Sou eu aquela,grandiosa,
Eu sou e onde estais,
Tambem estou...
Na Paz do Altíssimo"
Ps:gostei do seu texto DEVIR,abçss.
Abçss á vc Luciano, por expor.
Ana Lgo

heraldo disse...

A maneira como o texto foi escrito lembra o estilo de Marx, na introdução á critica da filosofia do direito de Hegel: denso, carregado de formulações não muito claras e violento nas criticas.
No entanto,o interresante do texto é justamente esse estilo truncado.
O conteúdo do texto comporta varias reflexões.
Um bom texto!
Um forte abraço

Zana Sampaio disse...

Goste do texto do Devir... apesar de não bebermos nas mesmas fontes... gosto da sua maré revolta de àguas cor de sumo...
Há aí um recado... como deve ser pressentido em Devir!

Luciano Fraga disse...

Fernanda,o ciclo de "carnificação""(engorda, abate, entrega aos abutres)ao qual me refiro é uma espécie de compaixão perversa, ou seja canonizam, endeusam e depois expõem e sacrificam, assim vejo, obrigado, abraço.

Luciano Fraga disse...

Anita,esse texto é de natureza questionadora mesmo,obrigado a você querida,abraço.

Luciano Fraga disse...

Ana,é a vida que corre como um rio, mas não podemos navegar nas águas do conformismo e da redenção da cruz,assim a vida(nós incluídos) precisamos de reciclagem, de revisões para uma reavaliação de nossos valores.

Luciano Fraga disse...

Heraldo, os gregos diziam que temos maior tendência para a comédia do que para a tragédia,então na busca do ideal, daquilo que é a imagem perfeita, o exemplo, entre forte o capital, o resultado, justo com o uso inadequado do homem,o texto é amplo, aberto, forte abraço.

Luciano Fraga disse...

Guru Martins, um recado para você amigo:não estou conseguindo postar em seu blog, não sei realmente o problema, mas venho acompanhando valeu? forte abraço.

biazinha disse...

Eu tinha comentado esse texto,mas quando voltei da leitura dos textos abaixo meu comentário não estava, mas sei que foi bug.
Eu sempre percebo muita honestidade nos textos do Devir, e vc sempre faz acertadas escolhas em tuas seleções ao divulgar textos de outros blogueiros.
Eu estou há muito tempo pra te dizer que eu sempre que escuto uma determinada música eu me lembro muito, mas muito mesmo de ti. Costumo ler teus poemas escutando a tal música. Hoje recomendei-a pra leitura um determinado poema postado aqui, mas é recorrente eu lembrar de ti através dessa tal bendita música:
Agnus sei
Eu gosto mais da versão do João Bosco, mas não a encontrei no youtube.
Ah, eu e bat agora escrevemos no mesmo blog.
Beijos.

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

O Rafael é um menino que precisa de tratamento sério. Mais pirado que esse rapaz são pessoas que deixam suas ideias irem além, por isso fica um circo onde todos fazem chacota. Uma pena os absurdos que pessoas fazem quando querem chamar atenção. Esse texto foi muito bem escolhido, Luciano.

Você é um querido amigo!

Noite de luz!

Rebeca

-

Luciano Fraga disse...

Bia,conhecia a música, é linda demais, também com Elis:
"Faces sob o sol, os olhos na cruz
Os heróis do bem prosseguem na brisa da manhã
Vão levar ao reino dos minaretes a paz na ponta dos arietes
A conversão para os infiéis

Para trás ficou a marca da cruz
Na fumaça negra vinda na brisa da manhã
Ah, como é difícil tornar-se herói
Só quem tentou sabe como dói vencer Satã só com orações
Ê andá pa Catarandá que Deus tudo vê
Ê andá pa Catarandá que Deus tudo vê
Ê anda, ê ora, ê manda, ê mata, responderei não!

Dominus dominium juros além
Todos esses anos agnus sei que sou também
Mas ovelha negra me desgarrei, o meu pastor não sabe que eu sei
Da arma oculta na sua mão

Meu profano amor eu prefiro assim
À nudez sem véus diante da Santa-Inquisição
Ah, o tribunal não recordará dos fugitivos de Shangri-Lá
O tempo vence toda a ilusão"
Vou lá certamente, obrigado sempre, beijo.

Luciano Fraga disse...

Amigos Rebeca e Jotacê,vejo assim também, olhando pelo lado humano, ele precisa e muito da ajuda das pessoas que são próximas, não deve ser nada fácil, tentar contra a própria vida é o limite...Bom dia, muita luz para vocês, abraço.

Marcia Barbieri disse...

Muito bom e sempre muito crítico e poético ao mesmo tempo os textos do Devir.

beijos ternos

Devir disse...

Nossa, isso me faz bem!!!
Muito obrigado, para todos.

Quando se quer, homem ou mulher
herói, heróis, com causas reais
seja na própria ou de todos
que na "luz" são toda carne

Isso é Humano, o top da evolução

O último trabalho de Deus, rss!!!

Quanto ao (midiático suicida)
Rafael Ilha
eu acredito nele
porque toda a estupidez
SE ELE QUISER poder resultar
numa linguagem de EFICIÊNCIA

Contra discursos eficientes
para construir
o que se 'vai vendo'

Sei quanto é obscuro
e complacente meu discurso
mas ninguém poderá dizer, rss
"que não falei das flores"

"Pelos campos há fome
Em grandes plantações
Pelas ruas marchando
Indecisos cordões
Ainda fazem da flor
Seu mais forte refrão
E acreditam nas flores
Vencendo o canhão..."

É isso aí, Luciano
gostei muito

Forte abraço

Batom e poesias disse...

Oi Luciano
Passei para visitar seu blog e exponho o que penso sobre sua postagem:

Sempre haverá pessoas com incapacidade de lidar com sucesso e com perdas, dentre eles, os que ficarão para sempre perdidos entre o "limbo" de um sonho e a realidade crua.

Sempre haverá os oportunistas da mídia imediatista e medíocre endeusando e destruindo mitos(pessoas), que são ou deixam de ser interessantes do ponto de vista bizarro da notícia.

Mas sempre haverá artistas (escritores, compositores, pintores, atores, cantores, etc), que de alguma forma expressam o que sentem/pensam denunciando, criticando, posicionando-se pró, contra ou "muito-pelo-contrário". Importa é não ficar inerte diante do que incomoda.

Lembrei da frase de uma música de Chico Buarque: "A dor da gente não sai no jornal".

De minha parte, ainda carrego a credulidade de que flores vencem canhões, e que a arte é a remissão dessa humanidade tão vasta e surpreendentemente complexa.

O alento é que sempre haverá poetas.

Achei o texto do Devir um pouco embaralhado, mas muito interessante. Boa escolha.

Abraços
Rossana

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Néctar da Flor é um blog que sempre soube receber e retornar seus comentários. Nunca deixamos ninguém, por motivo algum, no silêncio de uma visita quando vem à nossa página. Por esse motivo queremos presentear todos os amigos, que assim como nós, sabem acolher qualquer pessoa que chega com gentileza na sua casa virtual. Sem recriminação, sem preconceito, sem frescura.



Simplesmente porque:



Acolhe com o coração!



Beijos jogados no ar, sempre!



-

Luciano Fraga disse...

Márcia,os textos de Devir são sempre cercados de polêmica,isso é bom, grande abraço.

Luciano Fraga disse...

Caro amigo Devir,seu texto trouxe á luz um tema de extrema delicadeza,até onde a fama, o pedestal pode suplantar a própria vida.A morte também tem seus poucos minutos de fama e nada mais, o resto é esquecimento, foi muito bom, também achei, forte abraço, voltaremos com certeza,vivos!

Luciano Fraga disse...

Batom e Poesias(ROSSANA),um dia Prometeu libertou-se dos abutres.O grande problema é a falta de compreensão de que o destino dos mitos é ir decindo numa realidade histórica e numa realidade posterior será tratado apenas como um fato isolado,a quem pertence a eternidade? Grande abraço.

Luciano Fraga disse...

Batom e Poesias(ROSSANA),um dia Prometeu libertou-se dos abutres.O grande problema é a falta de compreensão de que o destino dos mitos é ir decindo numa realidade histórica e numa realidade posterior será tratado apenas como um fato isolado,a quem pertence a eternidade? Grande abraço.

Luciano Fraga disse...

Caros amigos Rebeca e Jotacê,também costumo adotar esse critério em meu blog,agardeço a gentileza e o carinho que sempre nos acolheu, aqui também a casa é de vocês, de todo coração, muita luz e amor para vocês, forte abraço.

tania não desista disse...

oi,luciano!alguns entraves me atrapalham...mas soluções... à vista...
gostei tanto do texto do devir!...sem entrar no mérito do rafael...aplaudo emocionada a seriedade do autor. sem deixar de lado o respeito, a abordagem difícil,o ser humano fragilizado,
devir,sem pieguices,com delicadeza e energia,mostra entender a complexidade do ilhado rafael...ou, melhor, do ser humano...não joga pedras ao léu...
...não há julgamentos!...um convite
à reflexão.
parabéns,devir...

luciano,bela escolha registrada
abrs
taniamariza

Luciano Fraga disse...

Tania amiga, ainda bem que terras à vista, ou seja soluções, torço para tudo ocorrer bem.Concordo contigo, muito equilibrado o texto de Devir, sem tendências, humano,abraço.