quarta-feira, dezembro 31, 2008

Photobucket
Waterlow Park, London

Ruela
Artista plástico


LENDA UMBILICAL


Ser um na árvore,

ser a sombra que assombra

como a fome na escuridão das raízes,

ser o tronco e a seiva

ou não ser nada no esconderijo

do lenho

que virou madeira

para o meu telhado,

ou um trono nobre

que faz as cercas para o gado,

que não vira a mesa do acaso...

Madeira,

vira papel que escrevo agora

vira o piso do meu tablado

que vira casca e a lasca,

o símbolo de uma nação;

a cruz ,

da redenção,

para uns,

ou da discórdia

para quem ardeu na fogueira...

Ser nó da madeira?

Que importa,

sobre o capuz

nada é imperdoável...


Livremente inspirado em trabalho do artista plástico Ruela.


Luciano Fraga

17 comentários:

Marcia Barbieri disse...

Sempre genial, arte inspirando artes!!!

beijos ternos

Cosmunicando disse...

adorei! se me dá licença deixo um meu aqui pra você:

(o)Culto


sacerdotisa sem templo
desgarrada do tempo
temperada no sal das vidas
vou caminhando entre (h)eras
campos de trigo, oliveiras
versada em artes da (lou)cura
sem igreja, orada ou ermida
quando muito, megalíticas esferas
onde faço sacrifícios na fogueira
queimando todas as certezas
cultuando dúvidas, quimeras
pra que nunca esteja presa
aos galhos da ramagem pura
onde a deusa fala comigo
trazendo-me nova viagem
de seiva a ser percorrida

Adriana disse...

Muito linda essa percepção da imagem através das palavras, belas e bem escolhidas palavras. Adorei.Beijo.

"ser a sombra que assombra como a fome na escuridão das raízes"

Luciano Fraga disse...

Cosmunicando,palavras por dentro das palavras, como as águas de um rio adentrando no mar do agora,sal e doce,"de seiva a ser percorrida"... Vou publicar na página do blog(se me dá licença),obrigado, feliz 2009.

Luciano Fraga disse...

Adriana, tenho uma afinidade enorme com a arte e os trabalhos de Ruela,as imagens pulsam e puxam palavras, abraço.

Braga e Poesia disse...

cada poema tem o seu proprio tamanho e alguns poetas não encontram esse tamanho e então o poema fica longo ou curto. mas o poeta luciano fraga encontra o tamanho certo dos seus poemas e eles não são nem pequenos e nem deixa aquela sensação de longo. é o poema vida aquele que ta extamente como deveria sempre estar.
um belo poema inspirado em um artista que pode receber o titulo de moderno e de artista, ele busca a inovação sempre e o luciano na palavra é mestre.
parabens fraga por maiws essa obra.

pianistaboxeador21 disse...

Muito bom, Luciano. Legal a parceria entre vc e o Ruela.

Abração,

Dañiel

Ruela disse...

Fantástico Luciano.



Bom 2009
repleto de sucesso e poesia.





Abraço.

Luciano Fraga disse...

Ruela, idem para você, fantástico é tu...Abraço.

Luciano Fraga disse...

Márcia, obrigado,abraço.

Luciano Fraga disse...

Daniel, grato, abração amigo.

Luciano Fraga disse...

Braga, concordo, tudo depende da perspectiva...Abraço.

On The Rocks disse...

d. luchiano,

te desejo um ano maravilhoso!

abs

Ca:mila disse...

um poema metamorfose! demais!

abraços,

c.

Ruela disse...

;)

O BAR DO OSSIAN disse...

No mínimo é um incesto pagão: isso não se faz à Mãe Natureza, pá! LOL

Abraço a todos e bom 2009!

Lord of Erewhon

Branca disse...

Uma palavra...muitas possibilidades, gostei muito!
bjo carinhoso,
Branca.