segunda-feira, maio 21, 2007

O Herético


Numa madrugada
Quando queimava de febre
Suspendi os olhos para o oitão
E tremendo de frio
Busquei no tempo
Agasalho para a minha solidão.

Miguel Carneiro



Um comentário:

versos&perversos disse...

Miguel,nesses tempos modernos,a solidão não é apenas um delírio febril.Ela é real,basta olharmos para nossos tetos.